Buscar
  • fernandorusso9

Qual a diferença entre a ômicron e a H3N2?

Em meio ao aumento de casos de gripe, tosse, febre alta, coriza, dores de cabeça e nas articulações são sintomas que têm confundido muitas pessoas nas últimas semanas, dúvidas essas que estão relacionadas na diferença entre Ômicron e H3N2.


A coexistência da pandemia de Covid-19 e o novo surto de Influenza apresentam sintomas semelhantes e a transmissão apresenta ações similares que confundem quem foi acometido pelo vírus, o que acaba ficando difícil distinguir as diferenças entre as enfermidades, sem a realização do exame.


Neste artigo, vamos abordar o que são as doenças e quais as suas diferenças. Continue a leitura.


LEIA TAMBÉM: Vacina contra Covid-19: mitos e verdades sobre a imunização


Qual é a situação atual?



Os surtos de covid e influenza provocaram uma série de preocupações para a sociedade, afetando diretamente milhares de pessoas e companhias. A Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), compartilhou dados sobre o crescente número de diagnósticos realizados no Brasil, o aumento em centros médicos particulares teve acréscimo de 655% nos casos de Covid e 270% de Influenza.


Os dados correspondem às instituições dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Goiás, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Distrito Federal, Espírito Santo, Mato Grosso e Bahia, o que representa 88% das organizações associadas.


Afinal, o que é Ômicron e Influenza?



Ômicron


Em novembro de 2021, a Organização Mundial da Saúde (OMS) relatou ter descoberto a variante Ômicron do coronavírus. Classificada como uma modulação de preocupação, os estudos de infectologistas indicam que o vírus é diferente das últimas variantes (Delta e Gama), ou seja, não afeta gravemente o pulmão do paciente. O que chama a atenção é a quantidade e a variação de mutações genéticas do vírus, isso significa que em partes importantes do coronavírus, como a espícula, essa estrutura pode de se conectar com o receptor das células humanas e dar início à infecção.


Inicialmente, as informações ainda não indicam o quanto a ômicron é mais transmissível ou sobre ações de imunidade obtida com as vacinas da gripe ou com infecção prévia. Porém, é importante ressaltar: especialistas acreditam que a taxa de transmissão dessa versão do coronavírus recém-descoberta seja bem alta e que a tendência é que nas próximas semanas consigamos entender mais sobre o poder de contaminação do vírus.


A seguir, confira alguns dos principais sintomas:

  • Dores musculares;

  • Dor de cabeça;

  • Dores musculares;

  • Dor de garganta;

  • Cansaço extremo;

  • Febre;

  • Tosse seca e intensa;

  • Coceira na gargantas;

  • Secreção nasal;

  • Problemas Estomacais (Raro).

Os sinais podem ser indicativos tanto de Covid-19 quanto de H3N2, variante do vírus influenza A. As duas doenças respiratórias, por apresentarem muitas semelhanças, podem dificultar o diagnóstico de quem for acometido por um quadro de síndrome gripal.


A infectologista Carolina Santos Lázari, do Grupo Fleury, explica que há uma diferença importante entre detectar dois vírus num paciente e esses patógenos efetivamente causarem infecções simultâneas.


H3N2 - Influenza


Popularmente chamada de gripe, a Influenza impulsionou um surto de uma nova cepa do subtipo A (H3N2), batizada de Darwin.


Existem três tipos de vírus influenza: A, B e C. Porém, a que está em evidência é propícia a provocar epidemias sazonais em grande escala. Os sintomas mais comuns são:

  • Febre alta;

  • Tosse;

  • Garganta inflamada;

  • Dores de cabeça, corpo e nas articulações;

  • Calafrios e fadiga;

  • Secreção nasal excessiva;

  • Prostração;

  • Diarreia.

O vírus H3N2 é uma variante do agente Influenza A, responsável pela gripe comum e pelos resfriados, sendo facilmente transmitido entre pessoas, seja por meio de gotículas liberadas no ar quando a pessoa gripada tosse ou espirra. Ou seja, alto nível de contaminação.


Qual a diferença entre Ômicron e Influenza?



É preciso deixar claro que diferenciar uma doença da outra é difícil, é só o exame específico que pode dar um diagnóstico certo para a identificação do vírus. Porém, existem sinais que apresentam uma tendência patológica que podem diferenciar uma da outra.


Por exemplo, febre alta é mais comum em casos de influenza, bem como tosse seca, coriza, dores musculares e dores de cabeça. Caso os sintomas se arrastam por um tempo mais longo, pode ser Covid-19, que apresenta também o cansaço e a tosse mais persistente.


Apesar das similaridades, as duas doenças se comportam de maneira diferente no organismo de quem foi infectado. A Omicron atinge o pulmão com menos agressividade, comparado com outras variantes, é uma doença que age mais no sistema respiratório superior, porém, como mencionamos, é uma situação que ainda está sob estudos.


Já a gripe H3N2, não tem uma ação prejudicial aos pulmões, é mais uma questão de apresenta um quadro forte de síndrome gripal e elevação de temperatura por tempo prolongado, que é um dos indicativos do vírus.


Quais são os cuidados necessários

Para identificar as suas patologias, assim como a presença do SARS-CoV-2 para os casos de Covid-19 ou de algum outro vírus que provoque a influenza A, os exames são:

  • SWAB (para Covid-19);

  • Painel Viral, para as síndromes gripais.

Bem como manter os cuidados necessários, distanciamento social, higienização das mãos, uso de máscara, hidratação, repouso e fármacos para aliviar a sintomatologia. E para os casos já diagnosticados: é necessário o isolamento e procurar as unidades de Pronto Atendimento.


Conte com a GRS+Núcleo

Quer saber mais sobre quais ações e processos que podem ser colocados em prática para cuidar da saúde dos seus colaboradores?


Entre em contato com o time de especialista da GRS+Núcleo para desenvolvermos métodos, soluções e critérios que integram a saúde de forma integrada no âmbito empresarial.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo