top of page
  • fernandorusso9

O Papel do ChatGPT e da Inteligência Artificial na Medicina: Avanços, Desafios e Perspectivas

A inteligência artificial (IA) e o ChatGPT têm desempenhado um papel cada vez mais importante na área da medicina, oferecendo uma série de benefícios e possibilidades nunca antes testadas, acarretando avanços, como processamento de dados mais veloz, uma leitura mais inteligente de instruções médicas e muito mais.


O ChatGPT é um modelo de linguagem avançado que pode interagir e fornecer informações aos profissionais da saúde e pacientes. Ele é capaz de gerar instantaneamente textos complexos e responder a perguntas substanciais em poucos segundos.


Ele funciona como um mecanismo de busca, mas, diferente das ferramentas mais comuns, ele retorna questões com conteúdos conectados, coerentes e colocados de forma inteligente e prontas para uso.


Neste artigo, discutiremos as potencialidades do ChatGPT e de IAs em geral na medicina, explorando seus avanços recentes, os principais desafios enfrentados e as perspectivas futuras para sua aplicação no setor. Continue lendo para saber mais.



O ChatGPT e a medicina


No livro 2041: l'odyssée de la médecine, escrito em 2022 pelo francês Jean-Emmanuel Bibault, médico e pesquisador em oncologia na França, está claro o otimismo do autor em relação à Inteligência Artificial na área da saúde ao afirmar que as máquinas, no futuro, vão reinventar a relação paciente-profissional.


Isso porque esse mecanismo é treinado a partir de inúmeros bancos de dados, capazes de integrar milhares de parâmetros. Isso faz com que ele rastreie e acelere o diagnóstico dos pacientes de forma inteligente, bem como particularize o tratamento deles em quase todas as especialidades.


Na Califórnia, pesquisadores da AnsibleHealth testaram o desempenho de uma IA em uma avaliação de medicina e o resultado foi incrível, mas esperado: a pontuação foi de 52,4% a 75% de acertos nas três partes do exame. Isso, é claro, aumentou a confiança nessa nova ferramenta.


Tendo isso em mente, IAs como o ChatGPT podem ajudar muito as equipes médicas a trabalharem com mais eficiência, identificando padrões e auxiliando pacientes na análise de dados médicos, como leitura de bulas, além de agilizar as tarefas clínicas, pois armazena e inspeciona o histórico de quem já é cadastrado no local.


Quais são os principais desafios e considerações éticas dessa transformação do ChatGPT na medicina?


Levando em conta essa nova realidade, há sempre discussões sobre privacidade e segurança de dados, principalmente tratando-se da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), além de que, diante de tanta automatização, a relação humanizada precisa ser preservada.


É também preciso ter cuidado com a superficialidade das soluções dadas por esse chat. A partir de algumas respostas, por exemplo, o paciente corre o risco de tirar conclusões precipitadas sobre assuntos complexos e profundos.


Isso sem contar possíveis erros, já que, como qualquer ferramenta, o ChatGPT também é imperfeito. Além disso, ao abrir a plataforma, ele já "avisa" que é incapaz de garantir sigilo sobre dados sensíveis, pois ele os usa para "aprender" mais, ou seja, armazenar informações.


Sendo assim, é bem improvável que o ChatGPT e outras IAs venham substituir um diagnóstico humano, por exemplo. Isso porque, até a máquina chegar a um nível de confiabilidade e precisão de um médico, é preciso muito tempo de treinamento e atualização contínuos.


Qual é o papel do ChatGPT no futuro?


Nos próximos anos, pode-se esperar a evolução dessa ferramenta tecnológica e o auxílio dela em sistemas de Registros Médicos Eletrônicos (os EMRs), devido à sua grande capacidade de armazenamento de dados. Ainda, o ChatGPT pode também fazer triagem e priorização de pacientes através de informações coletadas e do recolhimento de seus históricos nas consultas.


Como foi visto neste artigo, o ChatGPT e outras IAs podem ser muito úteis na medicina, principalmente se tratando de armazenamento de informações e atendimento com triagem de pacientes. Isso não quer dizer que as ferramentas estão "prontas", longe disso: ainda é necessário muito estudo, além da presença essencial de um médico ou especialista.


Para saber mais sobre saúde empresarial e tecnologia neste setor, conte com a GRS+ Núcleo e, caso tenha gostado do artigo, não deixe de comentá-lo e compartilhá-lo em suas redes sociais. Acesse nosso blog para ler artigos como esse.

214 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page